Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Catedral da Luz

Catedral da Luz

O matador triste

11.12.12, Bruno Vieira Amaral

Como qualquer benfiquista tenho uma teoria sobre Oscar Cardozo. É uma teoria que nasce de uma reacção espontânea. Quando oiço alguém referir-se ao paraguaio como “matador” ou “predador” desconfio. Falta a Cardozo a frieza assassina do matador e não consigo imaginar um predador sem pensar em características felinas, como a agilidade, e felino é adjectivo que não cola ao rapaz, a não ser que nos lembremos das criaturas tristes e pachorrentas, quase bovinas, que habitam as jaulas dos melancólicos circos que se instalam nos baldios lamacentos dos nossos subúrbios. Uma coisa é certa: nenhum de nós, por muito mansos que nos pareçam estes seres, se atreve a esticar a mão para o interior da jaula. É que um tigre é um tigre é um tigre. Não precisa de afirmar a sua tigritude, basta-lhe lançar-se sobre a presa e devorá-la. E Cardozo, atabalhoadamente, desajeitadamente, lá vai devorando presas, ao seu ritmo lento, aparentemente desinteressado, invisível. Porque Cardozo, dizem, desaparece dos jogos. E, depois de marcar, desaparece dos festejos. Vejam-no na capa d’ A Bola: um grito pesado, a trair a solidão funda de índio. Cardozo marca golos, não para os celebrar, mas para se aliviar de um peso assombrado que regressa sempre (vejam a capa d’ O Jogo: os colegas riem e ele é índio impassível), golos que desaparecem rapidamente da memória dos adeptos e, creio, do próprio Tacuara. É por isso que os comentadores ficam espantados quando contabilizam os golos de Cardozo (têm de consultar as estatísticas para acreditarem): o homem marca golos importantes mas não marca golos memoráveis. Outros avançados marcam golos para ficarem na história; Cardozo marca golos para que, no tempo que dura um jogo, não nos esqueçamos que ele ainda anda ali. Os adversários – as presas – normalmente esquecem-se e, então, ele é letal. É, e será sempre, um matador triste, inconsolável e, até nos festejos, apagado. Esta aparência é o seu veneno. Que fique por cá muitos anos.

 

2 comentários

Comentar post