Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Catedral da Luz

Catedral da Luz

Benfiquismo

31.01.12, Nuno Camarinhas

Sou Benfiquista de geração espontânea. O meu pai era sportinguista anti-benfiquista, de lugar cativo. Mas era o pós-25 de Abril, o Benfica tinha uma grande equipa e o vermelho para mim era a cor certa. As colecções de cromos só tinham interesse na página do Benfica. O emblema do Benfica era um cromo de sonho e até o cromo do Lajos Barotti era como se saísse a fotografia dum avozinho perdido numa carteira. Adorava o Benfica, contra tudo e contra todos. Queria ser o Carlos Manuel e tinha uma camisola com o número 6, que picava. Na praceta onde cresci, havia um senhor (verdadeiro apóstolo do benfiquismo), de precoce cabelo branco ondulado, que levava à Luz os miúdos que quisessem ir ver o Benfica. Foi com ele e com uma série de amigos, que (confirmei mais tarde no Almanaque do Benfica), no dia 9 de Dezembro de 1980, com 8 anos, assisti a um Benfica, 4 – Belenenses, 1 (um do Shéu, dois no Néné e um do Reinaldo), da 13.ª jornada dum campeonato que venceríamos. No terceiro anel, claro. Ainda tive direito a mais uns jogos assim. Depois passei a ir sozinho ou com os meus primos. Hoje gosto de ir em família (somos todos do Benfica, claro) embora maioritariamente apenas com o meu filho. Fiz questão que, ele também, se estreasse num Benfica-Belenenses (curiosamente também de um ano em que seríamos campeões). Em épocas como estas não é tão difícil a educação do jovem benfiquista. Aqui há uns anos era mais complicado – a isso voltarei noutro post. Acho que tenho feito um bom trabalho. Mas há uma coisa que ainda não admito: quando ele se vira para mim, como no outro dia, e lançou a seguinte leviandade: «eu sou mais benfiquista do que tu». O pirralho, que ainda mal distingue a Taça Eusébio da Liga dos Campeões...
Depois de me ter tornado sócio há um ano (prenda de aniversário da minha mulher), agora fui convidado, pelo Miguel Noronha, para escrever neste blog. Acho que nunca pensei chegar tão alto na minha carreira de benfiquismo (se não contarmos os títulos oferecidos no Championship Manager). Dias gloriosos.

1 comentário

Comentar post